Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013


VITOR QUELHAS. Entrevista: Viver com as fadas. Notícias Magazine (11 de abril de 2004).

RESUMO DA ENTREVISTA

O texto é uma entrevista onde o tema são os contos de fadas, e aborda a origem, a importância e as diferenças entre fábulas e contos. Possui uma linguagem diretiva e objetiva, pois explicita a importância que os mesmo representam do ponto de vista do entrevistado, mostrando para nos leitores uma interpretação bem profunda de como devemos enxergar esse universo a principio infantil e ao mesmo tempo adulto, pois necessita do auxilio dos adultos para se tornarem pratica. Os contos possibilitam um melhor entendimento acerca das problemáticas existentes e permite que a criança sonhe, e ao mesmo tempo perceba o que realmente é verdadeiro no seu cotidiano, por isso a preocupação do autor em manter viva a tradição dos contos.
Os contos de fadas surgem a partir da tradição oral, por isso existe uma relação de continuidade, porém abordando uma linha de histórias mais deslumbrante, maravilhosa e mágica, característica que a tradição oral não possui, pois é proveniente de narrativas do imaginário mítico, religioso e simbólico da antiguidade, ou ainda de narrativas populares de histórias imaginarias fabulosa. A tradição oral variava de região para região, mas era sempre influenciada pela população, e o seu caráter esta ligado ao que acontece no cotidiano ou a fábulas. Já os contos que após serem reescritos se tornam histórias elaboradas e escritas que deixam de ser apenas literatura oral das classes populares e rurais para ser cultura de salão, pois com o acesso a alfabetização o conto começa a se tornar algo concreto como livro, mas que deve ser interpretado e não lido. É caracterizado por possibilitar a funcionalidade da imaginação de forma que a criança seja o que quiser dentro da história contatada. Proporcionando a ambiguidade na criança estabelecendo confrontos entre sentimentos positivos e negativos, mostrando a criança o que é significativo para ela mesma. Os contos também capacitam a criança a amar e respeitar as diferença, independentes do aspecto físico, raça, gênero ou cultura, e também a lhe dar com as perdas, as maldades, a crueldade e a morte de forma a entender que nada é para sempre que ciclos começam e terminam.
O autor explicita de forma objetiva a intenção de cada conto, diferentemente das fabulas que possuem uma “Moral”, os contos propõem uma ética, ou seja, possibilita a criança uma interpretação mais real da vida, das transformações, dos sentimentos e das pessoas que não podem ser vistas apenas pelo que são ou possuem, mas pelo o que existe além do exterior de cada um. Os temas são bons e ruins, pois a criança precisa saber que apesar da fantasia existe uma realidade paralela que ela deve aprender a lhe dar, e que assim como nos contos existem bruxas, mortes, príncipes, felicidades e pessoas. É claro que não são da mesma forma que nos contos, mas que através de interpretações diferenciadas são comparados e absorvidos bem ou mal. Podemos ver no exemplo das madrastas dos contos de fadas, que muitos transferem o sentimento de maldade para as madrastas da vida real e não é bem assim, ou dos príncipes que não são tão perfeitos e lindos e nem dos sapos que não são tão feios e asquerosos, tudo é uma questão de interpretação de cada um, e por isso o autor fala que não devemos impor respostas, mas deixar que as crianças julguem o que lhes são apresentados a partir de suas próprias interpretações construindo o seu próprio conhecimento.
Por isso a importância de se quebrar regras e disponibilizar tempo para contar contos, ler, aprender e por em prática a interpretação não se apegando as leituras monótonas que não influenciam em nada a vida da criança, normalmente os contos sempre tem um problema que dá origem a história, porém o foco da criança não são os problemas, pois elas não querem problemas, apenas soluções, daí a importância de instigar a criança a criar e recriar suas historias a partir de seus sonhos.
 A mediação das crianças e contos deve ser envolvente utilizando a origem dos contos como a tradição oral, se vestindo de personagens e interpretando em alto e bom som todos os personagens, inclusive possibilitando que a criança faça parte da história como personagem que ela escolher, ou quiser criar. A imaginação é o ponto principal e não existe limitação, tudo pode e é possível e isso é que tornam os contos tão envolventes, mágicos, encantados e deslumbrantes não só para crianças, mas também para adultos, pois o faz de contas é valido para qualquer idade. É por isso que existem tantos contadores de histórias nos dias atuais, para reacender a vontade de ler, imaginar e sonhar que esta se perdendo num mundo tão capitalista como o nosso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário